Os "representantes" no regime de democracia representativa são eleitos pelo povo?
 
Prof. J. Vasconcelos


Os indivíduos que ocupam o Parlamento não podem ser considerados em stricto sensu eleitos pelo povo. Pelo menos quando se afirma: " Eles foram eleitos pelo povo brasileiro", dando a entender que o povo no seu todo colocou aqueles elementos como seus representantes.


O processo de eleição desse pessoal neste regime de democracia representativa manifesta muitos vícios que inviabiliza sua escolha pela totalidade do povo. Eles são eleitos por pequenas porções da população à custa de marketing, envolvente propaganda e outros meios não democráticos. Sim, marketing e propaganda sobre um candidato não é democrático pois descaracterizam a livre decisão dos cidadãos em escolher . Vestir candidatos em roupagens fora de sua realidade e usar de mensagens enganosas são dispositivos que deslocam os cidadãos de suas posições de consciência para um plano de ilusionismo e irrealidade.


Para que fossem eleitos pelo povo, diríamos que necessitaria que os cidadãos em pleno estado de consciência, livres de pressões da propaganda, analisassem as biografias e programas dos candidatos e procedessem a suas decisões. Reconhecemos que muitos eleitores procedem dessa forma, todavia isto equivale a 0,01% do total.
A maioria dos parlamentares é eleita pela força da venda marketeira de sua fantasiosa imagem, pela enganosa propaganda e às vezes por lideranças promovidas pelo sectarismo religioso e radical.
Estudos realizados neste campo tem demonstrado que um numero impressionante de eleitores votam em candidatos por razões as mais incongruentes, sem se visar a sua capacidade e sinceridade em se comprometer com o bem publico.


Pelo lado estético, vale a simpatia, beleza física. Por outra parte, pesam o  parentesco, lembrança de nomes repetidos pela TV, por algumas frases que um dia falou, por ser um ex-idolo de seu time esportivo, por ser da sua igreja e assim por diante.  Na ultima eleição um candidato esmerou sua propaganda no fato de ser marido de uma apresentadora da televisão. Outro, por ser o presidente de uma torcida organizada de um time de futebol. Um numero incrível de argumentos espurios são apresentados.Tamanha é a singularidade das razões de sua escolha que mais da metade dos eleitores, após algum tempo da eleição, termina por esquecer em quem votou.


Por que ocorre isto ?
 

Pelo fato de que o sistema eleitoral da Representação Política não ser cientifico nem democrático.
 

Este falso regime baseia o seu processo eleitoral em recursos econômicos, fama e lideranças religiosas, sindicais e radicalismos ideológicos. Os demais cidadãos, embora ilustres professores, médicos, advogados, operários, engenheiros, pequenos empresários,  que não dispõem desses requisitos não podem pleitear ser parlamentares. ESTÃO EXCLUÍDOS deste sistema.


Em conclusão, o povo não decidiu que os eleitos deveriam ser estes. Mas pequenas fatias da população foram levadas pela indução enganosa a votar em alguns candidatos. Antes de findar, vale verificar um exemplo prático. Em 2004, foram reeleitos 13 acusados no escândalo do Mensalão. A fatia do eleitorado que os elegeu correspondeu a 0,7% do total. Se levarmos em consideração que nesse calculo 20% se refere a saldos proporcionais creditados aos partidos, esse numero equivaleu a 0,4% do eleitorado e 0,2% da população. Como assim podemos dizer que foi o povo brasileiro que os quiz de volta ao parlamento?

 
Na verdade, essa é mais uma forma mentirosa que este falso regime de Representação Politica (democracia representativa) usa para  comprometer o povo e enganar uma nação.
 


Este artigo foi extraído de palestra realizada na Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas Pinto Ferreira, em Recife, em 2004.

 
© -2017 Democracia Pura